". Letícia Coelho lança No passo da rabeca, seu segundo álbum

Parceiro

Type Here to Get Search Results !

Letícia Coelho lança No passo da rabeca, seu segundo álbum

0

Letícia Coelho lança No passo da rabeca, seu segundo álbum
Em seu novo trabalho, artista mineira traz a rabeca como protagonista das 14 faixas autorais

Cantora, compositora, percussionista e professora Letícia Coelho
Novo disco da cantora, compositora e professora surgiu de pesquisa que fez para o seu TCC, em 2018
(foto: Bruna Brunu/Divulgação)
Com 14 faixas autorais, chega às plataformas digitais, a partir de quinta-feira (11/11), o álbum “No passo da rabeca”, segundo disco da cantora, compositora, percussionista, pesquisadora e professora mineira Letícia Coelho, lançado pela YB Music. A artista conta que o novo trabalho surge a partir do seu mergulho no devir da rabeca.

“Isso, porque a rabeca não é só um cordofone de arco, é um conceito de se fazer música e está diretamente ligado à liberdade que o instrumento propõe a quem o toca. Esse é um dos raros trabalhos de composição autoral dedicados ao instrumento nos últimos anos. O disco traz composições que evidenciam as múltiplas possibilidades da rabeca na música contemporânea, reverenciando suas raízes ancestrais da cultura afro ameríndia”, afirma Letícia.
A cantora conta que o álbum surge a partir de uma pesquisa que fez para o seu TCC, em 2018. “Foi quando resolvi fazer um trabalho que fosse de criação, de composições para rabeca, porque é um instrumento que é  brasileiro, mas que muita gente não o conhece tanto. Ele não é tão popular, quanto o violão. Pesquiso música tradicional, de festejo, popular, congada, maracatu e esse gêneros mais populares de rua há mais de 20 anos e, por isso, resolvi fazer algumas composições para rabeca, dentro destes universos.”

Quando abriu o edital da Lei Aldir Blanc, Letícia decidiu enviar uma proposta de gravação de quatro composições autorais que fez durante o seu TCC de música. “Foi o primeiro em formato de um disco autoral, em um curso de música. Então, resolvi propor um mergulho de minha história com a rabeca. Esse foi o projeto. Acabei compondo durante a pandemia as outras músicas que faltavam para o álbum.”

Letícia afirma que compôs olhando a história de como caminhou com esse instrumento pelos espaços que esteve, pelo encontro com as pessoas, com os músicos, mestres, projetos que participou de música e performance. “Fui criando música para esses lugares onde estive com a rabeca. É muito isso, esse trânsito por esses espaços.”

DE PERNAMBUCO A AMAZÔNIA 

Ela lembra que começou a tocar rabeca em 2013, quando esteve na Zona da Mata Norte pernambucana. “Meu primeiro professor foi o Mestre Luiz Paixão. Depois disso, estive em vários outros lugares, com projetos de forró, cavalo-marinho, enfim, de músicas mais tradicionais de rabeca. Fui também para a Amazônia, onde viajávamos de barco e ouvíamos histórias. Eu compunha na rabeca e Fabiana Vinagre, colega de projeto, fazia um retrato com as histórias. Então, essa experiência na Amazônia também veio para o disco.”

A artista conta que foi trazendo para si todos esses lugares por onde esteve com o instrumento. “Pude experimentar muito, porque a rabeca é um instrumento livre. Não é finalizado igual a um violino que tem um tamanho certo, uma afinação definida e uma forma de tocar específica, com mais de 300 anos de tradição. A rabeca é bem mais velha que o violino e ainda mais livre. É um instrumento que vem de África, dos primeiros cordofones. Ela vem do rebab, que é muito antigo de África e ainda é tocado até hoje.”
Letícia explica que a rabeca não tem uma regra, pode até ter duas ou três cordas. “Hoje, já tem gente fazendo com cinco cordas. A madeira dela não é definida, dependendo do construtor, vai ser de um jeito. Por exemplo, o Nelson da Rabeca, de Alagoas, faz uma que encaixa a parte da frente na de trás. É um jeito completamente diferente de construir um instrumento. Então, a rabeca tem toda essa liberdade, de poder colocar a afinação do jeito que quiser nas cordas e de tocá-la do jeito que a gente entender. E resolvi trazer isso também para o meu álbum.”
Ela ressalta que “No passo da rabeca” é um disco que tem camadas do instrumento. “Por exemplo, tem a rabeca do senhor Nelson, tem a da Zona da Mata Norte e tem afinações diferentes que foram pensadas para as composições. Então, é um processo completamente inventivo e investigativo mesmo, porque afino o instrumento de acordo com a música que vou tocar. Não é igual a um violão que está ali com tudo pronto ou mesmo um violino todo definido.”
A artista garante que é um disco que abre para uma sonoridade nova. “Tem música que a gente escuta e acha que é um clarone. Parece que é um instrumento de sopro grave, mas é a rabeca do senhor Nelson que afinei supergrave. Cada música tem uma afinação diferente. A rabeca é um instrumento muito livre e o disco também entrou nessa onda, de ter uma sonoridade diferente. Ele é totalmente feito com camadas de rabecas, mas elas também cumprem a função de outros instrumentos.”
Letícia explica que as tais camadas de sons e timbres são todos feitos na rabeca. “Tem somente duas músicas com instrumentos de sopros. A maioria das músicas é feita com camadas de rabeca e camadas de vozes também. Acabei usando a voz como instrumento. Gravar um disco de rabeca era algo que devia ao mundo. Tive a sorte e o privilégio de aprender esse instrumento e ter em meu caminho encontros incríveis que ampliaram o meu conceito acerca da música brasileira.”

FESTEJOS POPULARES 

Para a artista, o disco dá à rabeca o mérito que ela merece em toda a sua trajetória artística, evocando a herança dos festejos populares, do baião, das congadas, cocos, cheganças e giras de candomblé. “A rabeca me levou e eu a levei para esses mundos que estão aí, acontecendo, mas não são visibilizados. Junto a ela, no disco, estão os tambores, os cantos e as vocalidades, trajetórias e teorias da música brasileira afro ameríndia.”
Letícia ressalta que o disco soa como um convite a entrar numa caminhada sonora afro centrada. “A rabeca também é usada como percussão e contrabaixo, com notas pedais que lembram timbres de clarones. Já a voz, que geralmente é a protagonista nas canções, tem presença como um instrumento musical, melódico e de textura do disco junto com os sopros.”

PARTICIPAÇÕES 

O álbum traz as participações que incluem rabequeiros da tradição popular, como Mestre Luiz Paixão, referência na história do instrumento, e nomes da atualidade, como Luiz Fiammenghi. Os feats incluem também artistas da voz como Dandara Manoela, Luana Flores e Renna Coxta, e outros como a performer Fabiana Vinagre, o percussionista Leonardo Oliveira e a multi-instrumentista Camila Menezes, que gravou viola caipira em “Chegada”.

Na banda-base, apenas a presença de Letícia (rabeca, vozes e percussões) e do multi-instrumentista cabo-verdiano Jeff Nefferkturu, que gravou violões, cavaquinho, clarinete, flauta e contrabaixo. “Com a presença dele, brincamos também com esse trânsito rítmico-poético diaspórico entre Brasil e África. O disco traz uma ‘alquimização’ de trajetos por meio da rabeca, como se, a cada música, um novo caminho fosse traçado, valorizando encontros, trajetórias e riqueza teórica e sonora.”

“NO PASSO DA RABECA”

Disco de Letícia Coelho
YB Music
14 faixas
Disponível nas plataformas digitais a partir de 11 de novembro 




Um blog de notícias. Tudo sobre política, economia, saúde, justiça, comportamento, entretenimento. Confira os fatos relevantes em tempo real. Notícias selecionadas para você

Postar um comentário

0 Comentários

Top Post Ad

Below Post Ad